8

Reencontro

“É fascinante como algumas pessoas tem um efeito tão grande sobre nós.

Podem passar-se dias, semanas ou até mesmo meses sem que estejamos com elas.

Mas quando reencontramos certas pessoas, que nalgum momento marcaram a nossa vida,

ficamos com aquele frio na barriga, perdemos até mesmo a fala por alguns instantes.

O coração acelera e sentimos um aperto no peito.

Inevitavelmente lembramos-nos de tudo o que um dia já foi vivido.”

Xana Ribeiro

(blog: Pensamentos Soltos)

5

Mãe.

“E encontrei-a finalmente, lá estava ela, a lápide que guardava para sempre o que restava da pessoa mais importante da minha vida: a minha mãe; na pedra de mármore a fotografia dela – com trinta e poucos anos, devia ser pouco mais velha do que eu neste momento – já amarelecida e desbotada pelo passar dos anos. Era a minha mãe: de longos cabelos grisalhos acastanhados; pele morena, lisa, suave e brilhante como a seda. E os olhos negros; o olhar intenso e forte; apaixonante e conquistador, que muita gente diz que eu herdei dela.

O meu pai dizia muitas vezes que era a forma mais subtil e ternurenta de o conquistarem: apenas como a minha mãe o sabia fazer tão bem, com um simples olhar.”

Ana Ribeiro, 2015

(blog: O Meu Blog de Escrita)

sjdnklxakijd

9

O homem e a borboleta

“Uma vez eu sonhei que era uma borboleta,
voando entre as flores e arbustos do jardim.

Tudo era tão concreto e real
que em momento nenhum do meu sonho
suspeitei que a borboleta era eu
ou que eu fosse a borboleta.

Para todos os efeitos possíveis e imagináveis,
eu era, eu agia e eu realmente me sentia uma borboleta,
cumprindo o destino de uma borboleta qualquer.

De repente, eu acordei
e lá estava eu, sendo a pessoa que eu sempre fui
– ou que sempre imaginei ser.

Sei muito bem
que entre um homem e uma borboleta
há tantas diferenças fundamentais e insuperáveis
que a transformação de um no outro
é algo simplesmente impossível de acontecer no mundo real.

É por isso que, desde então,
eu nunca mais tive sossego
quanto à minha verdadeira identidade.

Pois não há nada que me permita saber,
com toda certeza e rigor,
sem nenhuma margem de dúvida,
se eu sou verdadeiramente um homem,
que um dia sonhou que era uma borboleta,
ou se eu sou uma borboleta,
sonhando que é um homem.”

Chuang Tzu

sjdnklxakijd

14

Reflexões

“Olhas-me como se fosse o teu tudo,
tu sonhas com a mudança mas amas-me porque eu não mudo.
Andas à minha procura mas quando eu entro tu sais,
esperas-me eternamente, mas sabes que eu não venho mais.
Criticas-me por ser pesado mas sei que detestas  o que é leve,

a noite vence o dia como o fogo entra na neve.
Estás confusa, perdida, no caos de toda a ordem,
o mal completa o bem como a mulher completa o homem,
nesta vida o que se perde primeiro é a esperança,
já fomos a mesma criança, agora dançamos outra dança.
Sentimentos mal definidos ou certeza do que não se sente
balançando distorcido entre o frio e o quente.
(…)
Se há alguém a quem eu conto tudo esse é o meu caderno,
desejo o céu mas provoco, inocentemente, o inferno.
(…)

No fundo eu não sou nada,

mas todas as respostas que eu procuro,

eu encontro-as dentro de mim.”

Xeg – Intro 

(álbum Ritmo e Poesia)

sjdnklxakijd

23

As coisas simples.

“Restam as coisas simples. São as mais belas. Por exemplo o haver uma pessoa que goste de outra. Isto é o mais belo de tudo o que há no mundo por mais que se procure por todo o lado. O que é que quer dizer uma menina gostar de um menino ou um menino gostar de uma menina? Quer dizer: fazerem tudo um pelo outro. O tudo é que pode ser maior ou mais pequenino. E o que quer dizer um menino gostar de uma menina que também gosta desse menino? Isso é o fim do mundo.
De vez em quando, muito de vez em quando, há o fim do mundo. O mais engraçado é que ninguém nota.”

Pedro Paixão in “Histórias Verdadeiras”

sjdnklxakijd

73

Esquecer

“Não sonhas. Morres um pouco de manhã e ao meio dia quando o sol mais queima. Tens de continuar. Tens de esquecer. Não aguentas mais. Tens de acabar, matar, recomeçar a viver. Só que ela está presa por dentro e tu agarrado a ela por um nó da garganta e não sabes o que deves deitar fora, arrancar, vomitar para que ela te saia de dentro. Sais à noite com definitivos propósitos de não voltares sozinho. Compões dentro da cabeça uma mulher com um bocadinho disto e um bocadinho daquilo e esperas que bata certo. Levas um bocado de tecido rasgado e queres encontrar o todo. Mas não encontras ninguém. Pior, encontras alguém que te vem provar sem remissão que não a vais substituir tão facilmente porque não há nada no mundo inteiro depois dela senão um deserto de tempo que se estende à tua frente onde tudo se torna insignificante e pequenino. Começas a beber, a fazeres-te mal, porque estás triste e não acreditas em nada senão na dor. Queres morrer e não podes e nem sequer coragem tens para te matar. E quando ainda pensas poder voltar atrás, também sabes que não é possível voltar atrás porque tu estás num mundo e ela noutro, os dois que tão depressa se afastam, encerrados em planas fotografias em que estão abraçados e nus e já não somos nós.”

Pedro Paixao in “Nos Teus Braços ” , 1998

Dois meses de Alucinações da Alma

sjdnklxakijd

48

Explicação da eternidade

“devagar, o tempo transforma tudo em tempo.
o ódio transforma-se em tempo, o amor
transforma-se em tempo, a dor transforma-se
em tempo.

os assuntos que julgámos mais profundos,
mais impossíveis, mais permanentes e imutáveis,
transformam-se devagar em tempo.

por si só, o tempo não é nada.
a idade de nada é nada.
a eternidade não existe.
no entanto, a eternidade existe.

os instantes dos teus olhos parados sobre mim eram eternos.
os instantes do teu sorriso eram eternos.
os instantes do teu corpo de luz eram eternos.

foste eterna até ao fim.”

José Luís Peixoto in “A casa, A escuridão”

sjdnklxakijd